domingo, 27 de junho de 2010

AGRADECIMENTOS A MILAGREIRA ANA PAULA, FISIOTERAPEUTA DO HEMORIO

Além da Anemia Falciforme, tenho outros probleminhas que preciso acompanhar e tratar com carinho para manter uma certa qualidade de vida e não ficar tão limitada em minhas, já reduzidas, atividades físicas. Para se ter uma idéia, até o sexo tem que ser feito de forma light, como diz meu amigo Carlos Latuff. Por duas vezes já precisei de atendimento pós atividade sexual de alto impacto e o pessoal da fisioterapia sempre me ajudou - que o diga o bom e velho Lúcio. Bem, a verdade é que a situação estava muito complicada, porque sofro de asma brônquica e tenho uma lesão na coluna para completar. Após ter passado por alguns pneumologistas sem muito resultado, em cinco minutos de conversa, Ana Paula, fisioterapeuta das mais competentes, me apresentou um aparelhinho chamado RESPIRON,  que tem me ajudado muito com a minha falta de ar crônica. Com isso reduzi bastante o uso do xarope que causa aquela terrível taquicardia. Além deste aparelho, ela usa o Tens, o Infra Vermelho, exercícios de alongamento e as massagens do Kalil. Isso tem diminuído o meu sofrimento e já me permito fazer algumas tarefas que antes não conseguia. Obrigada a Ana Paula e a equipe de fisioterapeutas do Hemorio. Valeu João pela foto.

CURSOS DE FÉRIAS 2010 NO MUSEU DO ÍNDIO - RJ



















Informações:
Museu do Índio / FUNAI
Rua das Palmeiras, 55 - Botafogo
CEP 22270-070 - Rio de Janeiro - RJ
(21) 3214-8722

quarta-feira, 16 de junho de 2010

VISITA AO MUSEU DO ÍNDIO - RJ - PARTE 1

Estes são representantes da Tribo Fulni-ô, de Pernambuco. Txalê, o da esquerda, cujo significado do nome é Mar, e Xmayakaká, cujo nome quer dizer Vento Bom em apresentação de uma pequena parte da verdadeira cultura indígena no Museu do Índio. Me esclareceram que o idioma deles é o Yathe e que muito do que nos foi passado pelo homem branco sobre os povos indígenas é inverdade. Foi muito instrutivo conversar com eles. Reparem nos detalhes dos colares, da pintura e dos cocares.


Leninha, Lidom e Bárbara assistindo aos vídeos da primeira parte da exposição.







Detalhes do artesanato indígena.

Euzinha e minha quase inseparável jaqueta de couro + a minha inseparável mochila.

Ao fundo, ao alto, a bela vista do Cristo Redentor, que se escondeu por um momento...

... Para mostrar-se no momento seguinte.



Euzinha, Lidom e Bárbara sob a reprodução do céu de uma aldeia indígena.
 

Como são muitas fotos, achei por bem dividir a visita ao Museu do Índio em duas partes e aqui se encerra a primeira parte. É um passeio inesquecível que vale à pena para crianças, jovens e adultos. Para mim, foi inesquecível.

sexta-feira, 11 de junho de 2010

ADORO SER SOZINHA


Talvez as pessoas não acreditem, mas quem me conhece sabe, eu adoro ser sozinha. Após alguns relacionamentos longos e dezenas de relacionamentos passeiros, encontrei o meu ponto de equilíbrio na vida solitária que levo hoje. Faço tudo o que quero fazer, quando quero fazer e como quero fazer. Sem ter alguém com crises de ciúme por perto. Se entrar alguém, no meu mundo hoje, para ficar muito tempo, estraga. A não ser que seja uma pessoa muito especial, e essa, eu ainda não encontrei. Quando sinto falta de um corpo, eu busco e pego um, para ficar algum tempo. Depois eu volto à minha rotina. Eu me amo e a pessoa mais importante do mundo pra mim, sou eu mesma. Mas, é lógico, isso não impede a pegação no Dia dos Namorados. Eu beijo muito e adoro experimentar novos sabores.

FELIZ DIA DOS NAMORADOS PRA TODOS!


imagem extraída de: amorcomhumor.wordpress.com

COPA DO MUNDO? ALIENE-OS!!!


Eu odeio, odeio, odeio copa do mundo porque a vejo como um instrumento de alienação do nosso povo, apesar de ver uma grande importância no evento atual, em particular, pelo crescimento que ele pode trazer, e eu espero que traga, para o tão sofrido e esquecido continente africano.
A prova mais recente de que a copa do mundo é utilizada para cegar o povo, foi o que aconteceu ontem, numa votação na madrugada, em manobra gananciosa do deputado federal Ibsen Pinheiro e do senador Pedro Simon, ambos do PMDB/RS que querem à todo custo garfar os royalties do Rio de Janeiro e dos estados produtores de petróleo. E nós, povo alienado, vaquinhas de presépio, massa de manobra, estamos pintando o meio fio da calçada e colocando bandeirinhas nas ruas, à procura de uma jabulani que já foi devidamente enfiada, sem vaselina,  no nosso fiofó.
Já dizia Gonzaguinha: "Você merece! Tudo vai bem, tudo legal. Cerveja, samba, e amanhã, seu Zé, se acabarem com o teu carnaval? Você merece!"

imagem extraída de: planetalaranja.blogspot.com

segunda-feira, 7 de junho de 2010

5 PERGUNTAS PARA CLAUDETE FELIX



Atriz e Professora de Português e Literatura. Carioca com quase 17 anos de idade X 3. Carinha de criança arteira, sonhos de menina moça e um coração do tamanho do universo. Essa é Claudete.

1 - Após 24 anos de Centro de Teatro do Oprimido, qual o trabalho que mais te emocionou?

O grupo de trabalhadoras domésticas e atrizes Marias do Brasil. Amigas nos tornamos quando em 1998 o grupo começou... Tornaram-se atrizes, descobriram-se poetisas, compositoras e cantoras. Ver as mudanças em suas atitudes: antes tímidas e passivas... Agora altivas e ativas mulheres em busca de seus direitos e sonhos, lutando para, através da Arte, mudar o mundo.

2 - Você já viajou quase o mundo todo. Dos lugares que conheceu, o que te encantou mais?

No exterior, a beleza da cultura, do tom da pele, do brilho dos olhos, a solidariedade entre os moradores de Calcutá, India, Festival Internacional de Teatro do Oprimido em 2006. Em nosso país, Alagoas, pela intensidade do verde dos coqueirais e das águas, mais o sorriso, a gentileza de um povo tão amigo.

3 - Um sonho a ser realizado...

Trabalhar na região norte do país.

4 - Na sua visão, enquanto educadora, o que deveria mudar na educação pública?

A cobrança de que o professor deve dar jeito nos problemas como: mais de 50 alunos nas salas de aula, com ventiladores quebrados em prédios velhos sem estrutura para receber tantos jovens e crianças. Esta não é uma mudança solitária, mas coletiva e urgente.

5 - Cite-me um exemplo de povo civilizado.

Ainda recente no processo de civilização, o Brasil está aquém de avanços quanto a educação, saúde, transporte e tecnologia - precários ao extremo por problemas simples de administração e honestidade. Áustria, Inglaterra e Alemanha dão um show de organização nestas áreas. Felizmente o planeta é redondo e as fronteiras são imaginárias; um dia haverá uma única nação (porque precisamos uns dos outros para sobreviver e sonhar) onde a civilização terá desenvolvido a solidariedade a tal ponto que haja pão, remédio, casa, família e justiça para todos nós.