sexta-feira, 27 de agosto de 2010

O VESTIDO DA JACKIE O.
















Migas e migos, ainda estou sob o impacto da minha mais nova loucura. Um ataque de moda incontrolável. Eu tentei, eu juro que eu tentei. Não sou consumista, mas desta vez, uma vitrine me venceu.
Estava eu passando pela rua Sete de Setembro, no Centro do Rio, saindo da Casa Cavé, após me deleitar com mais uma Estrela e um Duchese, quando meus olhos pousaram num vestido preto, lindo, maravilhosamente lindo, perfeito e feito pra mim. Literalmente a minha cara. Do jeito que a cigana que habita em mim gosta. Rodado, voluptuoso, insinuante, sensual... Ainda por cima, com uma estampa da Jackie O. - sacerdotisa da elegância em qualquer idioma - com um meio sorriso e seu olhar fatal, quase dizendo pra mim:
- Me compra! - E foi assim que eu ouvi, como uma ordem. Fechei os olhos e corri pra casa. Eu estava às vésperas da viagem para São Paulo, na iminência de gastar o que eu não podia para realizar o sonho de ir a Bienal para o lançamento do meu primeiro livro. Me controlei, me estapeei, mas não comprei. Fiel aos meus princípios e ao meu bolso, mãe de família que sou, pensei na escola do meu filho e no plano de saúde dele.
Passei mais de uma semana pensando no vestido. Pensando em como eu ficaria dentro dele no show do Ney Matogrosso no Theatro Municipal. Fui pra Sampa, voltei e o vestido não saía da minha cabeça. Num esforço supremo eu pensei no gás, na luz, no telefone, no modem 3G, na água, no preço do quilo de carne, no leitinho da minha criança, mas não adiantou nada. Anteontem não teve jeito, eu voltei à loja e disse a mim mesma:
- Se o vestido ainda estiver aí, é porque ele tem que ser meu. - Achei que não o encontraria mais porque era liquidação, mas depois de muita procura, minha e da vendedora, ele, escondidinho que estava, surgiu para mim. Alguém o colocou entre outras peças, virado pelo avesso. E assim, nos reencontramos, eu e a Jackie O. Típico final feliz para uma linda história de amor e vaidade. E lá vou eu rumo ao Municipal, linda e maravilhosa.

imagem extraída de: www.bettys.uol.com.br

Nenhum comentário: