terça-feira, 28 de dezembro de 2010

PALAVRAS AO VENTO


Me vejo descrente
Do ser humano
Todas as vezes
Em que ele
Deixa de ser
Coerente
Entre suas palavras
E seus atos.
Quando levanta
Bandeiras
Por causas
Diversas
Apenas na voz.
Mas quando
A oportunidade
De se fazer
Presente,
Único,
Surge,
Ele foge,
Se nega,
Se omite.
E continua sendo
Apenas
Palavras
Que o vento leva.

by Lucia Andrade

Nenhum comentário: