segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

"QUANDO MEU FILHO NASCER, ELE VAI SER CAPOEIRA"

A menininha dormiu e acordou tranquila ao som do berimbau e do atabaque. Como diz a letra da música: "Quando meu filho nascer, ele vai ser capoeira." O meu filho, infelizmente, ainda não despertou, mas eu continuo tentando. Meu sonho é vê-lo praticando capoeira. Se for o sonho dele também...

Essa imagem me marcou muito no evento de ontem. Não sei se era a mãe ou a avó do menino, mas ele correu para que ela tivesse a honra de colocar a corda que ele havia acabado de ganhar. Me emocionei, muito.

Nosso amigo Quartel, recebendo a corda de Contra Mestre. Agora só falta a de Mestre. Desafio pela frente, sonho a realizar. É isso aí, meu amigo. Você conseguiu. Parabéns.

Nubinha jogando com o marido. Agora era a vez dele receber sua corda. Toda a família pratica capoeira. As duas filhas, o menino, a mãe e o pai. O evento todo foi muito família, bonito de ver. Crianças e jovens querem isso: exemplos para seguir. Parabéns a essa linda família.

O pai jogando com a filha caçula. Preparação para ele conseguir mais uma corda, mais uma graduação. Havia muito respeito e admiração no olhar de ambos.

Enfim, a tão sonhada corda, colocada pela escolhida: a companheira de muitos anos. Momento feliz dessa família linda, fruto de um trabalho de muitos anos de preparação.


Crianças sendo crianças. Felizes. Brilho nos olhos, sorriso nos lábios, praticando esporte, cantando, em família, entre amigos. Fórmula muito simples e a melhor de todas para formar cidadãos.

Mais que um esporte, a capoeira é completa se for seguida em sua origem. As músicas são ensinamentos. São parte de uma das culturas que ajudou a construir este país. A capoeira nasceu aqui, no nosso Brasil e é muito respeitada lá fora, mas aqui não tem apoio nenhum. Uma roda de capoeira é democrática: é espaço para homem, mulher e criança. E esses dois que estão aí na foto, encararam os marmanjos feito gente grande. Eles arrebentam.

Tudo isso só foi possível porque o Mestre Sombra acreditou e encarou mais esse desafio. O local foi cedido pelo Fábio, o Tio Fábio, e pela Paula e a família deles. Toda a família se esmerou muito para que esse evento fosse o sucesso que foi. Muito trabalho e poucos holofotes. Foi um ótimo domingo.

Enfim eu pude conhecer a Nubinha. Nos conhecemos na internet, por causa de uma das minhas postagens do blog sobre capoeira. Aí ela me adicionou no Orkut e a gente passou a trocar mensagens. Ontem, finalmente, nos conhecemos pessoalmente. Gostei dela mais ainda e de toda a sua linda família. Beijos Nubinha!




Um comentário:

nubia disse...

Lúcia minha miga amei,tudo lindo suas palavras me emocionaram,amamos mesmo a capoeira,e sei que
QUANDO MEU NETO NASCER ELE TAMBÉM VAI SER CAPOEIRA!!Deus te proteja!!!!Amei!Lindoooo!!!