sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Transmutante




Se eu não cantar hoje
Vou explodir.
Preciso expurgar
Tudo de ruim
Que me sufoca.
Preciso estrangular
O que me estrangula:
A revolta,
O tédio,
A mágoa.
Cada agudo é um tiro mortal,
Desfigurante,
No meio das caras hipócritas.
Espasmo alucinante,
Transmutante.
Canto pra extravasar,
Pular,
Dançar.
Canto pra conter
Minha fúria,
Um surto,
Contra a boçalidade do mundo.
Canto pra não deixar acontecer
A carnificina que quero fazer.

Parte integrante do livro ARCO-ÍRIS SOBRE CINZA
Biblioteca Nacional 463.856 Livro 873 Folha 77


imagem extraída do Google

Eu queria ser lésbica



Ah! Se eu fosse bissexual...
Seria muito legal.
Amar independente dos corpos,
Dos sexos.
Querer independente das roupas,
Das bocas,
Dos pelos.
Desejar um homem,
Me completar em outra mulher.
Mulheres,
Seres maravilhosos
Com um toque de divindade.
Infelizmente,
Gosto de corpos masculinos.
Não dos homens,
Seres mesquinhos,
Com sua mania
De tentar guardar
O coração na gaveta.
Ambicionam com a cabeça de cima,
Traem com a cabeça de baixo.
Mulheres são diferentes.
Têm o coração como escudo
E como guia.
Pensam no todo,
Nos filhos,
No mundo.
Mulheres geram o mundo.
Mulheres são lindas,
Meigas,
Delicadas guerreiras,
Fogosas amantes,
Mães extremadas,
Amigas abnegadas,
Altruístas.
Pensando melhor,
Eu queria ser lésbica.

Parte integrante do livro ARCO-ÍRIS SOBRE CINZA
Biblioteca Nacional 463.856 Livro 873 Folha 77

imagem extraída de:

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Não quero ser esperta, quero continuar sendo honesta

Infelizmente, ou felizmente, dependendo do ponto de vista de cada um, eu continuo sendo honesta. Jamais deixarei de ser. Para mim não existe meio certo e sim, o certo ou o errado. Mesmo que uma multidão de espertos ache o contrário, prefiro seguir o caminho da honestidade, ainda que ele não seja o caminho mais fácil. Ainda que eu continue pobre e ferrada. Sou realmente um paradoxo insistente, insistente, insistente...