sábado, 3 de outubro de 2015

Notas de tristeza


A faca da angústia
Ainda sangra meu peito.
Faço de tudo pra esquecer
Mas nada que tento surte efeito.
O telefone toca, atendo.
Silêncio. Ninguém diz nada.
A saudade me sufoca.
Na escuridão choro calada.
Como fotografia,
Teu rosto não sai de mim.
Lembro da nossa utopia
De viver um amor sem fim.
Agora o sonho acabou,
Virou pesadelo medonho.
Só tiro notas de tristeza
Em cada canção que componho.
Tentei um caminho escolher,
Ser fiel à minha essência.
Sofro por não querer sofrer
Por não ver em você consciência.
Em um egoísmo desmedido
Querendo ter sem se doar.
Vi que não tinha sentido
Deixar você me pisar.
Espero um dia me erguer
Lembrar de você no passado.
Só não sei quando vai ser,
Se tudo terei superado.
Penso no que vou fazer
No dia em que te encontrar.
Forte vou tentar parecer
Pro outro lado vou olhar.
E mesmo chorando na alma
Vou sorrir escancarado.
Fingirei estar bem calma
Apesar
Do coração despedaçado.
E quando em casa eu chegar
Às lágrimas darei vazão.
Sentada em um canto do quarto
Dedilhando o violão.

Parte integrante do livro ARCO-ÍRIS SOBRE CINZA
Biblioteca Nacional 463.856 Livro 873 Folha 77

Nenhum comentário: