sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Fanfiction Amorcito Corazón - Willy sem saída - Parte 9


por Lucia Andrade

A briga com Ricky serviu para que ele fosse embora, mas em compensação, Lala agora viva calada, o que fez o clima na casa azedar de vez. Willy chegara ao ponto de não suportar mais a si mesmo dentro daquele quarto. O único que conseguia quebrar a barreira era Moncho e somente ele.
- O que é que tem, Willy? Ele quer te ver.
- Eu sei, Moncho. Mas eu não quero que ele me veja assim.
- Tá bom, tá bom. Faz do jeito que você quiser, eu não vou insistir. Você quer ficar enfurnado nesse quarto, faça como quiser, mas quando Tuqueque não lembrar mais de você, não reclama - Moncho saiu batendo a porta. Willy sabia que ele estava certo. Uma hora não teria mais como evitar o mundo e os olhares de pena e curiosidade das pessoas. Ele fechou os olhos. Onde conseguir coragem para erguer a cabeça e seguir em frente? Ele não tinha respostas e realmente vinha se afastando de todos, inclusive dos que o amavam. Não recebia ninguém além de Moncho, Lala e às vezes Bárbara. Nem Juancho, nem a Tropa e nem Tuqueque. Havia dias em que uma saudade absurda de Lucía tomava conta dele e a ela ele queria ver, mas, jurara para si mesmo que nunca mais chegaria perto dela. No momento em que ele recordava o último encontro com ela, Moncho bateu na porta. Willy abriu e Moncho entrou.
- Tem uma pessoa lá fora que quer te ver… - Antes que Moncho concluísse a frase, Hortensia irrompeu quarto adentro. Willy logo virou o rosto.
- O que quer aqui, Hortensia? Eu não tenho como cumprir nosso acordo.
- Não vim cobrar o acordo, quero conversar com você - ela olhou para Moncho - em particular. E desta vez ninguém vai me impedir - Hortensia se referia ao dia em que foi ao hospital ver Willy e Moncho a impediu de entrar.
- Willy…? - Ele acenou afirmativamente para Moncho, que saiu do quarto. Depois que ele saiu, Hortensia passou a mão pelo rosto de Willy.
- Seu lindo rosto… Willy se desvencilhou e virou o rosto para o outro lado. Hortensia insistiu. - Não precisa fugir. Eu vim como amiga. Não quero cobrar nosso acordo, quero ajudar você e você sabe que eu posso fazer isso - Willy olhou para ela.
- E eu terei que te dar minha alma desta vez?
- Não terá que me dar nada. Naquela noite, depois que eu vi que você não apareceria, eu vim aqui. Não encontrei ninguém. Fiquei muito brava. No dia seguinte eu voltei e a sua vizinha me contou por alto o que tinha acontecido. Eu tentei ver você no hospital, mas não consegui. Queria muito ajudar. Esse tempo de espera foi angustiante, Willy, mas foi bom para eu repensar as minhas atitudes com você. Eu errei. E não só uma vez, mas várias. Eu tentei forçar uma situação que da sua parte não existia, nunca existiu. Mas imaginar você em uma cama de hospital com o rosto golpeado e não poder fazer nada, me fez parar e pensar. Antes de você entrar na minha vida, eu não lembrava o que era sentir saudade de alguém. Eu estava amarga, como dizia a Beba. E ela estava certa. Você me devolveu a vontade de viver, me fez voltar a sorrir. Você conseguiu quebrar minha couraça, Willy. E eu me dei conta que eu sinto a sua falta e que só estarei bem se você estiver. Por favor, Willy, me deixe te ajudar. Não me negue a chance de me redimir dos meus erros com você - Hortensia falou sem pausa, porém de forma convincente. Willy surpreso, ficou desarmado. Ele esperava o jeito arrogante e ofensivo dela e o que viu foi uma Hortensia humilde e aparentemente sincera.
- Eu não sei, Hortensia. Minha vida está de pernas pro ar. Eu tô me sentindo perdido. Sei que fiz um acordo, mas tenho certeza que você… - Hortensia não o deixou completar a frase. Colocando sua mão sobre a dele, ela pediu:
- Esqueça esse acordo, Willy. Eu quero te ajudar e lhe prometo, não vou pedir absolutamente nada em troca - ela retirou um cartão da bolsa. - Eu consegui o contato de um cirurgião plástico de Los Angeles que é especialista em casos como o seu - Willy olhou para ela desconfiado.
- Los Angeles…? Nós dois…? - Hortensia balançou a cabeça negativamente.
- Willy, estou te oferendo uma oportunidade única. E lhe dou a minha palavra de que não tentarei nada. Estarei ao seu lado apenas para providenciar o que for preciso - vendo a desconfiança no olhar dele, Hortensia insistiu. - Willy, olhe para você, trancado neste quarto, isolado, você não é assim. Cadê o Willy sorridente que me arrancou sorrisos? - Ela se levantou e foi em direção a porta.
- Eu estou lhe estendendo a mão e se eu fosse você eu pegaria. É a sua melhor chance de ter sua vida de volta - poder ter sua vida de volta… era exatamente o que Willy queria. Em um segundo ele decidiu.
- Hortensia, espera! Eu aceito, eu vou com você.

Nenhum comentário: